A produção e o consumo de energia estão diretamente vinculados com as três dimensões do desenvolvimento sustentável: meio ambiente, sociedade e economia. Segundo a Agência Internacional de Energia, o consumo mundial deve crescer 1,6% ao ano entre 2006 e 2030, o que representará um aumento de 45% ao longo desse período. Os combustíveis fósseis devem continuar responsáveis por cerca de 80% da energia consumida no planeta, e o maior crescimento de sua demanda será na China e na Índia, onde a redução dos índices de pobreza extrema tem levado a incorporação de milhões de pessoas ao mercado de consumo. Já nos países desenvolvidos e alguns emergentes, haverá redução na participação percentual dos combustíveis fósseis e o aumento das fontes renováveis e menos poluentes em suas matrizes energéticas, com crescimento no consumo da biomassa, energia eólica, energia solar, entre outras.

ENERGIA: EVOLUÇÃO HISTÓRICA E CONTEXTO ATUAL

                Desde o surgimento das sociedades primitivas, a obtenção de energia sempre desempenhou papel fundamental para o bem estar das pessoas e o desenvolvimento das atividades econômicas. Já na Pré-História o homem percebeu sua limitação física na execução de tarefas, buscando dessa forma, fontes de energia para facilitar o trabalho e aumentar seu conforto no dia a dia. As primeiras sociedades utilizavam a lenha como combustível para obtenção de calor e para cozinhar os alimentos e a energia muscular de animais para arar a terra e para o transporte.  À medida que as cidades foram surgindo e crescendo, o consumo de lenha também aumentou e começou haver a exploração desenfreada da madeira, chegando haver escassez do produto em várias cidades da Europa medieval. Nos séculos XV a XVIII a energia dos ventos movimentou as caravelas e possibilitou a expansão marítima que promoveu a ocupação da América pelos europeus e um maior intercambio de pessoas e mercadorias entre os continentes, com todas as consequências positivas e negativas decorrentes.

                Á medida que os progressos técnicos foram avançando, a utilização de novas fontes energéticas tornavam o trabalho humano mais eficiente. Desde a primeira fase da Revolução Industrial, quando a produção e o transporte de mercadorias passaram a se basear de forma crescente no uso das máquinas, a energia humana e de animais no trabalho, vem se tornando menos necessária, sendo substituída por equipamentos. A sociedade moderna utiliza cada vez mais energia para a indústria, agricultura, serviços, comércio, transportes e consumo doméstico. Nos países desenvolvidos o consumo de energia é maior que nos países emergentes e nos subdesenvolvidos por apresentarem uma industrialização, uma economia, uma infraestrutura mais desenvolvida, assim como uma população com maior poder aquisitivo. Além disso, a maioria dos países desenvolvidos se localizarem em latitudes elevadas, as temperaturas durante grande parte do ano são muito baixas o que aumenta o consumo de sistemas de aquecimento doméstico e comercial.

                Atualmente há uma diversidade de fontes de energia, classificadas como renováveisque continuam disponíveis depois de utilizadas, e não-renováveis, que são limitadas e se esgotam. Os combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural) assim chamados por se originarem de restos de animais e plantas soterrados com o sólidos que formam as rochas sedimentares são as principais fontes de energia utilizadas no mundo hoje.

Oferta de Fonte de Energia

FONTE DE ENERGIA %
Petróleo 34
Carvão Mineral 26
Gás Natural 21
Nuclear 6
Hidrelétrica 2
Eólica, Geotérmica e Solar 10
Outros 1

                Segundo a Agencia Internacional de Energia, as reservas conhecidas de petróleo duplicaram entre 1980 e 2007 e são suficientes para abastecer o mundo por mais 40 anos, no ritmo atual de consumo. Nas ultimas décadas houve grande desenvolvimento tecnológico e o aumento em investimentos na prospecção de petróleo que resultaram na descoberta de novas reservas.

                O petróleo continua a ser  a principal fonte de energia do planeta, seguido pelo carvão mineral e pelo gás natural. Essa situação é preocupante, já que aproximadamente 80% da energia consumida mundialmente provém dessas três fontes não renováveis, que um dia se esgotarão. Quando o petróleo e outros combustíveis fósseis se acabarem, não significa que faltará energia no mundo, antes haverá um período de transição para nos adaptarmos à utilização de novos tipos de energia. Essa transição envolverá reformas e reestruturação, principalmente no sistema de transportes e na produção industrial, por meio da adaptação de máquinas e motores a outro tipo de energia, e na readequação das usinas termelétricas (acionadas hoje pela combustão do petróleo, carvão ou gás) a uma nova fonte de energia primária.  Isso já vem ocorrendo em vários países para diminuir a dependência externa e evitar os efeitos do aquecimento global.

Fonte de Energia Primária e Secundária

A fonte de energia primária refere-se àquela extraída diretamente da natureza como o petróleo e o carvão mineral. Já a fonte de energia secundária demanda processos de transformação para que seja utilizada como a gasolina, óleo diesel e a eletricidade.

                Em qualquer país, a estrutura energética é um dos elementos mais decisivos da economia e da geopolítica, por isso é considerado um setor estratégico. A produção industrial, o sistema de transportes e telecomunicações, a saúde, a educação, o comércio, a agricultura, todas as atividades, enfim, dependem de energia. Qualquer sobressalto do setor energético interfere na posição do país no comércio mundial, já que, na composição dos custos da produção, a energia é um fator que pode  tornar a mercadoria mais ou menos competitiva no comércio internacional. Por isso o setor energético é geralmente controlado pelo Estado, que atua diretamente na produção de energia, por meio de empresas estatais ou pela concessão dessa produção a empresas privadas.

                Todos os países almejam a autossuficiência energética e baixos custos na produção de energia, para que as atividades econômicas não fiquem sujeitas às oscilações de preço das fontes importadas. A busca por uma matriz energética diversificada constitui estratégia de planejamento adotada por vários países, para evitar desabastecimento ou enfrentar crises econômicas, como aconteceu com os preços do petróleo em 1973,1980, 1990 e 2007. Até recentemente, a grande preocupação ao se optar por determinada fonte de energia se restringia ao preço, mas, atualmente, em muitos países essa opção também está voltada à busca de fontes que sejam renováveis e limpas. Para atingir esses objetivos há a necessidade de se racionalizar o uso da energia observando as estratégias que causam impactos econômicos, sociais e ambientais. Deve-se combater o desperdício de energia, aumentar a eficiência dos equipamentos, promover a reciclagem de materiais, valorizar produtos e serviços que consumam menos energia para serem disponibilizados, reorganizar a localização e o transporte de mercadorias e de pessoas e controlar as emissões de poluentes para a preservação do meio ambiente. Além da busca pela melhor eficiência energética, a intensificação do aquecimento global provocado pelo efeito estufa e as metas estabelecidas no Protocolo de Quioto tem levado os países a buscar fontes de energia menos poluentes, como a hidreletricidade, a nuclear, eólica, solar, geotérmica e a biomassa, entre outras. Nesse contexto, a utilização crescente de fontes renováveis de energia é a melhor alternativa na busca da sustentabilidade ambiental, econômica e social.(Adaptado de Eustáquio de Sene e João Carlos Moreira. Geografia geral e do Brasil, vol. 3, p.64-70).

Fonte: http://f1colombo-geografando.blogspot.com.br/2013/06/8a-energia-no-mundo.html